quinta-feira, 9 de junho de 2011

# -  Sobre a mortandade      10-2007

Matam bois, matam cavalos,matam ovelhas, matam galinhas,
matam outros pássaros, mais animais
e os semelhantes!
e nem assim o tempo pára,
e nem o coração, constatando destroçado,
pára também...

Não pára de jorrar o sangue
nem param jamais de jorrar
as lágrimas.

E matam as árvores,
os sonhos,
escorrendo sempre  em sangue no moto-perpétuo da matança!

-No deserto vermelho floresce solitária  
    
a erva amarga da Desesperança.



Nenhum comentário:

Postar um comentário